Monumento cinematográfico!

Juventude em Marcha, de Pedro Costa

(Portugal/França/Suiça, 2006)



Um dos filmes que mais me tocou, pessoal e cinematograficamente, nos últimos tempos! Foi o primeiro filme desse diretor português que vi e fiquei extremamente impressionado desde sua abertura inusitada, escura, com um plano de câmera intrigante. O filme segue assim, em um português cabo-verdiano ainda mais difícil do que o dos portugueses. É incrível como sem quase nada explicitar, tomamos conhecimento de muita coisa da vida daquele imigrante e de sua família. Os planos estáticos, em teoria, se carregam de significados de acordo com o enquadramento e a luz, ou falta dela. Os “atores” no filme interpretam seus próprios papéis e reinventam assim, o próprio destino. Imagino que a intromissão de Pedro Costa tenha sido bressoniana, no sentido de conseguir criar uma nova imagem para cada imagem. Os diálogos, entrecortados por silêncios, são como orações. Não sai da minha cabeça a carta de amor a ser escrita pelo patriarca, possivelmente o único letrado. Carta que se torna um verdadeiro mantra, como se fosse a idealização de um sonho, um estado pleno de amor e paz, uma profissão de fé. Essa gente habita uma espécie de conjunto habitacional, dificilmente conquistado, e amarga conseqüências de sua colonização. A cidade, Lisboa, praticamente não aparece, a não ser quase no final do filme, por entre árvores, recortada. Tempo e espaço são recriados de forma a nos transpor para o cotidiano inebriante que esses personagens vivem. A sensação que eu sentia, além de envolvido com a agonia, a sujeira, a desesperança das pessoas, era de nunca ter visto nada igual!

Escrito por Anderson Vitorino às 17h58



Prêmios da Mostra

 

Prêmio do Júri – Melhor Filme:

 

O CHEIRO DO RALO, de Heitor Dhalia (Brasil)

 

Prêmio Especial do Júri:

 

O VIOLINO, de Francisco Vargas (México)

 

com menção especial para o ator DON ANGEL TAVIRA

 

Prêmio do Júri - Melhor Ator:

 

ADEL IMAM, por O EDIFÍCIO YACOUBIAN (Egito)

 

Prêmio do Júri - Melhor Atriz:

 

MARIA LUNDQVIST, por MINHA VIDA SEM MINHAS MÃES (Finlândia)

 

Prêmio do Júri – Menção Honrosa:

 

O ANO EM QUE MEUS PAIS SAÍRAM DE FÉRIAS, de Cao Hamburguer (Brasil)

 

“Por sua realização visual e pela capacidade não apenas de criar uma atmosfera de época, mas também de traduzir o sentimento coletivo daquele período”

 

continua


Escrito por Anderson Vitorino às 08h40



Prêmios da Mostra

Prêmio Petrobras Cultural de Difusão – Melhor Longa Brasileiro de Ficção:

 

ANTONIA, de Tata Amaral

 

O ANO EM QUE MEUS PAIS SAÍRAM DE FÉRIAS, de Cao Hamburguer

 

Prêmio Petrobras Cultural de Difusão – Melhor Documentário Brasileiro:

 

FABRICANDO TOM ZÉ, de Décio Matos Jr.

 

Prêmio do Público – Melhor Curta Brasileiro:

 

PRIMEIRA VEZ, de Fabrício Bittar

 

Prêmio do Público – Melhor Média Brasileiro:

 

DEUS E O DIABO EM CIMA DA MURALHA, de Tocha Alves e Daniel Lieff

 

continua


Escrito por Anderson Vitorino às 08h40



Prêmios da Mostra

Prêmio do Público – Melhor Longa Estrangeiro de Ficção:

 

ROSSO COME IL CIELO, de Cristiano Bortone (Itália)

 

 

Prêmio do Público – Melhor Documentário Estrangeiro:

 

UMA VERDADE INCONVENIENTE, de Davis Guggenheim (EUA)

 

 

Prêmio do Público – Melhor Curta Estrangeiro:

 

EU QUERO SER PILOTO, de Diego Quemada-Diez (Quênia/México/Espanha)

 

 

Prêmio do Público – Melhor Média Estrangeiro:

 

JANA SANSKRITI – UM TEATRO EM CAMPANHA, de Jeanne Dosse (França)

 

 

Prêmio da Crítica – Categoria Internacional:

 

HAMACA PARAGUAYA, de Paz Encina (Paraguai/França/Argentina/Holanda)

 

“Pela ousadia na maneira de abordar a passagem do tempo, as relações humanas e as reflexões sobre a vida e a morte de maneira única e simples”

 

 

Prêmio da Crítica – Categoria Nacional:

 

O CHEIRO DO RALO, de Heitor Dhalia

 

“Pela junção de um fino humor negro com reflexões psicológicas e sociais, entre outras”

 

 

Prêmio da Juventude:

 

(votos de estudantes secundaristas dentro da seção Festival da Juventude):

 

MINHA VIDA SEM MINHAS MÃES, de Klaus Harö (Finlândia)

 

 

Prêmio Humanidade:

 

VITTORIO DE SETA, cineasta italiano de BANDITI A ORGOSOLO (1961) e CARTAS DO SAARA (2006), convidado de honra da 30ª Mostra


Escrito por Anderson Vitorino às 08h39



Agradáveis surpresas latinas!

Que Tan Lejos, de Tânia Hermida

A “propaganda” era: primeiro filme equatoriano em não sei quantos anos... Nossa! Bom, fui ver e a surpresa foi ótima! O filme é simples, no que diz respeito ao número de personagens, locações e até linguagem. É o primeiro longa da diretora que foi assistente de direção no filme Maria Cheia de Graça. A história narra a viagem de uma jovem para tentar impedir o casamento de um ex-namorado que vice no interior. No percurso conhece uma espanhola em viagem pelo Equador e depois um homem que viaja com as cinzas da avó morta. Os três são colocados frente a um país esvaziado, em dia de manifestação que paralisa os ônibus na região. A jovem universitária, se autodenomina Tristeza, em contraponto à estrangeria Esperanza, e é um pouco da troca entre os sentimentos das duas que se dá a evolução da narrativa do filme. Tristeza é crítica e politizada, enquanto Esperanza quer se aventurar e acha tudo fantástico! É claro que não há grandes novidades, é um filme de estrada, mas Que Tan Lejos olha para o próprio país, para o próprio povo, sem condescendências, e busca assim, ainda, uma identidade nacional, se é que ela existe. Há um clima de naturalidade, leve comicidade e o charme do pessimismo de Tristeza.

O Violino, Francisco Vargas

Grande vencedor do Festival de Gramado, este primeiro longa-metragem do diretor mexicano também foi recebido com entusiasmo no Festival de Cannes, no qual o ótimo ator Don Angel Tavira ganhou prêmio de melhor atuação masculina. O filme, fotografado em preto e branco, abre com uma dura cena de tortura, tão cara a nós, da América latina, que logo identificamos aquela cena com uma época, mesmo que essa, no filme, não seja esclarecida. Três gerações de uma familia vivem de música, tocada na rua e em portas de bares, mas também estão na linha de frente de uma guerrilha. É nessa vida dupla e na caça de um pelo outro, que Don Plutarco, patriarca da família e tocador de violino, trava contato com um militar. A música do violino de Don Plutarco vira um símbolo de resistência e uma verdadeira arma a favor dos guerrilheiros. O Violino tem no seu registro documental um recurso narrativo importante e os planos gerais da mata intrincada onde se escondem os guerrilheiros dá uma idéia da “qualidade de vida” daquelas pessoas. A tensão é o suspense são tons utilizados e infelizmente, o final é de certa forma pessimista. Há outro caminho para aquela família? Não sei...


Escrito por Anderson Vitorino às 19h45



Melhores da Mostra, até 29/10

Anche Libero Va Bene, de Kim Rossi Stuart
O Cheiro do Ralo, de Heitor Dhalia
Sonhos de Peixe, de Kyrill Mikhanovski
Eu Não Quero Dormir Sozinho, de Tsai Ming-Liang
O Crocodilo, de Nanni Moretti
A Última Noite, de Robert Altman
Dias de Glória, de Rachid Bouchareb
Mundo Novo, de Emanuele Crialese
Still Life, de Jia Zhang-Ke
Síndromes e Um Século, de Apichatpong Weerasethakul
Shortbus, de John Cameron Mitchell
O Violino, Francisco Vargas
Leis de Família, de Daniel Burman
Notícias do Lar/Notícias de Casa, de Amos Gitai

Escrito por Anderson Vitorino às 10h26



mensagens anteriores


Anderson Vitorino, 29, apaixonado por cinema, iniciou-se na dramaturgia aos 13 anos num curso de teatro. Desde lá, desenvolveu enorme fascínio pelas histórias e imagens. Estudou cinema e aprofunda-se em direção, escrita de roteiro e textos. Escreveu e dirigiu o curta-metragem Jurema, Te Amo!, 2003. Atualmente cursa Letras na USP e ensaia o seu primeiro espetáculo em São Paulo "Te espero na última plataforma".

Contato pelo e-mail:
andervitorino@gmail.com

ENTREVISTAS
SOBRE CINEMA
MOSTRAS E FESTIVAIS

HISTÓRICO

07/11/2010 a 13/11/2010
31/10/2010 a 06/11/2010
28/03/2010 a 03/04/2010
18/10/2009 a 24/10/2009
04/10/2009 a 10/10/2009
16/08/2009 a 22/08/2009
19/07/2009 a 25/07/2009
14/06/2009 a 20/06/2009
07/06/2009 a 13/06/2009
31/05/2009 a 06/06/2009
30/11/2008 a 06/12/2008
23/11/2008 a 29/11/2008
02/11/2008 a 08/11/2008
26/10/2008 a 01/11/2008
19/10/2008 a 25/10/2008
12/10/2008 a 18/10/2008
07/09/2008 a 13/09/2008
03/08/2008 a 09/08/2008
15/06/2008 a 21/06/2008
18/05/2008 a 24/05/2008
11/05/2008 a 17/05/2008
30/03/2008 a 05/04/2008
23/03/2008 a 29/03/2008
16/03/2008 a 22/03/2008
09/03/2008 a 15/03/2008
02/03/2008 a 08/03/2008
17/02/2008 a 23/02/2008
10/02/2008 a 16/02/2008
03/02/2008 a 09/02/2008
27/01/2008 a 02/02/2008
20/01/2008 a 26/01/2008
13/01/2008 a 19/01/2008
06/01/2008 a 12/01/2008
09/12/2007 a 15/12/2007
02/12/2007 a 08/12/2007
25/11/2007 a 01/12/2007
18/11/2007 a 24/11/2007
11/11/2007 a 17/11/2007
04/11/2007 a 10/11/2007
28/10/2007 a 03/11/2007
21/10/2007 a 27/10/2007
07/10/2007 a 13/10/2007
22/07/2007 a 28/07/2007
24/06/2007 a 30/06/2007
17/06/2007 a 23/06/2007
10/06/2007 a 16/06/2007
27/05/2007 a 02/06/2007
20/05/2007 a 26/05/2007
22/04/2007 a 28/04/2007
15/04/2007 a 21/04/2007
08/04/2007 a 14/04/2007
01/04/2007 a 07/04/2007
25/03/2007 a 31/03/2007
18/03/2007 a 24/03/2007
11/03/2007 a 17/03/2007
25/02/2007 a 03/03/2007
18/02/2007 a 24/02/2007
11/02/2007 a 17/02/2007
28/01/2007 a 03/02/2007
21/01/2007 a 27/01/2007
14/01/2007 a 20/01/2007
05/11/2006 a 11/11/2006
29/10/2006 a 04/11/2006
22/10/2006 a 28/10/2006