O Violino, Francisco Vargas 

(MEX, 2005)

 

Grande vencedor do Festival de Gramado, este primeiro longa-metragem do diretor mexicano também foi recebido com entusiasmo no Festival de Cannes, no qual o ótimo ator Don Angel Tavira ganhou prêmio de melhor atuação masculina. O filme, fotografado em preto e branco, abre com uma dura cena de tortura, tão cara a nós, da América latina, que logo identificamos aquela cena com uma época, mesmo que essa, no filme, não seja esclarecida. Três gerações de uma familia vivem de música, tocada na rua e em portas de bares, mas também estão na linha de frente de uma guerrilha. É nessa vida dupla e na caça de um pelo outro, que Don Plutarco, patriarca da família e tocador de violino, trava contato com um militar. A música do violino de Don Plutarco vira um símbolo de resistência e uma verdadeira arma a favor dos guerrilheiros. O Violino tem no seu registro documental um recurso narrativo importante e os planos gerais da mata intrincada onde se escondem os guerrilheiros dá uma idéia da “qualidade de vida” daquelas pessoas. A tensão é o suspense são tons utilizados e infelizmente, o final é de certa forma pessimista. Há outro caminho para aquela família? Não sei...


Escrito por Anderson Vitorino às 14h49



Volver, Pedro Almodóvar

(ESP, 2006)

Com: Penélope Cruz, Carmen Maura, Blanca Portillo, Lola Dueñas.

 

 

Depois de explorar os limites do próprio virtuosismo estético (Fale com Ela) e revisitar o gênero noir de forma mais intrincada do que em Carne Trêmula (Má Educação), Pedro Almodóvar volta à sua infância de forma mais leve, mas não menos engenhosa.

 

A comédia e o fantástico dão o tom em Volver, baseado principalmente em suas atrizes que reinventam as mulheres de um pequeno povoado em La Mancha, região de onde vem Almodóvar e a maioria de suas inspirações. Os costumes locais são explorados em si e em contraposição à contemporaneidade, espelhada tanto na mãe Raimunda quanto em sua jovem filha.

 

A aparente simplicidade dos modos de vida e das aspirações dos personagens, tanto os que ainda vivem no interior, quanto os que já vivem em Madrid, é uma deliciosa forma que o diretor encontrou para nos surpreender com as revelações de complexas relações – sobretudo familiares – entre as grandes atrizes escolhidas para o filme. Carmen Maura, que há muito estava afastada das lentes de Almodóvar, volta sublime como a grande mãe “fantasma” das mulheres do diretor. Maura já esteva ligada à obra almodovariana antes mesmo de ter estrelado o primeiro longa comercial do diretor em 1980 (Pepi, Luci, Bom y Otras Chicas del Montón); ela atuou em longa de 1978, filmado em super-8 mm.

 

O roteiro de Volver, premiado em Cannes, é impulsionado por revelações do passado, que são discretas reviravoltas, enquanto engenharia de trama, mas são emocionalmente fortes dentro da história. É difícil destacar uma atriz, visto que todas estão minimamente caracterizadas em ações externas e internas – o elenco feminino foi premiado em Cannes e Penélope Cruz concorre ao Oscar. Uma cena memorável, dentre várias, é quando Cruz canta uma bela canção - sem saber que é ouvida pela mãe emocionada - e que fala sobre o retornar, o voltar (em espanhol volver).

 

Visite o site oficial de VOLVER!


Escrito por Anderson Vitorino às 13h04



Quem é Ryan Gosling?

Ator canadense, nascido em 12 de novembro de 1980, toca guitarra e é fã de jazz e Chet Baker. Quando Gosling estava no colégio, ainda no Canadá, sofria vários insultos de outros estudantes e por isso sua mãe o retirou da escola, dando continuação à educação do filho em casa. Filme e ator favoritos: Vidas Amargas (Elia kazan, 1955) e Gary Oldman. Ryan está na disputa pelo Oscar® de melhor ator, por sua atuação no ainda inédito no país, Half Nelson.

Filmes de Ryan Gosling disponíveis no Brasil:

A Passagem
Diário de uma paixão
O Mundo de Leland
Cálculo Mortal
Tolerância Zero
Duelo de Titãs (2000)

Escrito por Anderson Vitorino às 17h50



Babel, de Alejandro González Iñárritu .
(EUA/MEX, 2006)

O título de um filme transmite a identidade do projeto e quando ouvimos o nome Babel, somos remetidos a um fato bíblico, que já faz parte do imaginário coletivo. Como forma de castigo pela ousadia humana de tentar construir uma torre alta o suficiente para atingir o patamar divino, Deus confunde os homens com diferentes línguas. Portanto, a população que antes se entendia e levava a cabo a construção infame, passa a enfrentar a barreira da comunicação.

O filme do mexicano Alejandro González Iñárritu, que fecha a suposta “trilogia sobre a morte” (Amores Brutos e 21 Gramas), tem a pretensa intenção de olhar para o mundo como essa torre de pessoas em desentendimento. Não há pistas de porquê o planeta sofre essa punição da incomunicabilidade, logo não há saída e nem motivo para mudanças. Assim, o projeto ambicioso de filmar em diversos continentes e línguas, com grandes astros dividindo a tela com atores não-profissionais, se resulta num mais do mesmo da visão pessimista e da estrutura manjada da dupla Iñárritu-Arriaga.

As três histórias que compõem o mosaico do roteiro de Arriaga (além dos outros dois de Iñárritu, escreveu também Três Enterros e El Búfalo de la Noche, em competição atualmente no Festival de Sundance) não se sustentam individualmente e muito menos “interligadas”, vide à maneira extremamente simplista de juntar o episódio no Marrocos com os acontecimentos no Japão: um rifle oferecido como presente.

A estética (câmera na mão, filtros, planos curtos ligados por cortes secos), igualmente utilizada nos trabalhos anteriores do diretor, não dá tempo nem lugar para que os personagens se aprofundem e suas tragédias pareçam menos exageradas e mais críveis. Iñárritu usa os recursos cinematográficos para explorar o inferno que é a vida na Terra: crianças brincam com armas, adultos brincam com armas; deficientes auditivos não têm espaço na sociedade e japoneses continuam se suicidando; americanos têm medo de latinos e de muçulmanos então, nem se fale. Além disso, a câmera de Rodrigo Prieto, diretor de fotografia mexicano que depois de Amores Brutos já trabalhou em diversas produções americanas, capta todas as regiões em que o filme se passa de forma turística: planos de poucos segundos com imagens “típicas” do local. É triste, porque o próprio México, país de origem de praticamente metade dos envolvidos em Babel, é visto como um lugar sujo, perigoso, onde ninguém quer ficar e, pior ainda, para onde são mandados os que infringem as “leis do império” vizinho.

É decepcionante ver vários atores, e outros profissionais de qualidade, desperdiçados em algo tão superficial, revestido de cinema internacional para exportação. A indústria americana vem se alinhando a esse tipo de projeto globalizado por várias razões, entre elas a facilidade de filmar em lugares remotos, com mão de obra mais barata, a necessidade de dar frescor tanto às histórias quanto às formas como são contadas e, claro, visando o consumidor final: o público é o mundo.

Babel ganhou os prêmios de melhor direção, técnico (montagem) e ecumênico do júri em Cannes 2006, o Globo de ouro de melhor filme dramático e concorre a sete estatuetas, em seis categorias, ao Oscar desse ano: filme, direção, atriz coadjuvante, montagem, roteiro original e trilha sonora.




Escrito por Anderson Vitorino às 17h42



Leia o texto de Gilberto Dimenstein (membro do Conselho Editorial da Folha de SP e criador da ONG Cidade Escola Aprendiz) sobre o filme de Ricardo Elias (Os 12 Trabalhos - comentado aqui nesse blog) a ser exibido em pré-estréia na Cinemateca Brasileira hoje em decorrência das comemorações do 453º aniversário da cidade de São Paulo, clique aqui.

Site da Cinemateca Brasileira


Escrito por Anderson Vitorino às 10h37



mensagens anteriores


Anderson Vitorino, 29, apaixonado por cinema, iniciou-se na dramaturgia aos 13 anos num curso de teatro. Desde lá, desenvolveu enorme fascínio pelas histórias e imagens. Estudou cinema e aprofunda-se em direção, escrita de roteiro e textos. Escreveu e dirigiu o curta-metragem Jurema, Te Amo!, 2003. Atualmente cursa Letras na USP e ensaia o seu primeiro espetáculo em São Paulo "Te espero na última plataforma".

Contato pelo e-mail:
andervitorino@gmail.com

ENTREVISTAS
SOBRE CINEMA
MOSTRAS E FESTIVAIS

HISTÓRICO

07/11/2010 a 13/11/2010
31/10/2010 a 06/11/2010
28/03/2010 a 03/04/2010
18/10/2009 a 24/10/2009
04/10/2009 a 10/10/2009
16/08/2009 a 22/08/2009
19/07/2009 a 25/07/2009
14/06/2009 a 20/06/2009
07/06/2009 a 13/06/2009
31/05/2009 a 06/06/2009
30/11/2008 a 06/12/2008
23/11/2008 a 29/11/2008
02/11/2008 a 08/11/2008
26/10/2008 a 01/11/2008
19/10/2008 a 25/10/2008
12/10/2008 a 18/10/2008
07/09/2008 a 13/09/2008
03/08/2008 a 09/08/2008
15/06/2008 a 21/06/2008
18/05/2008 a 24/05/2008
11/05/2008 a 17/05/2008
30/03/2008 a 05/04/2008
23/03/2008 a 29/03/2008
16/03/2008 a 22/03/2008
09/03/2008 a 15/03/2008
02/03/2008 a 08/03/2008
17/02/2008 a 23/02/2008
10/02/2008 a 16/02/2008
03/02/2008 a 09/02/2008
27/01/2008 a 02/02/2008
20/01/2008 a 26/01/2008
13/01/2008 a 19/01/2008
06/01/2008 a 12/01/2008
09/12/2007 a 15/12/2007
02/12/2007 a 08/12/2007
25/11/2007 a 01/12/2007
18/11/2007 a 24/11/2007
11/11/2007 a 17/11/2007
04/11/2007 a 10/11/2007
28/10/2007 a 03/11/2007
21/10/2007 a 27/10/2007
07/10/2007 a 13/10/2007
22/07/2007 a 28/07/2007
24/06/2007 a 30/06/2007
17/06/2007 a 23/06/2007
10/06/2007 a 16/06/2007
27/05/2007 a 02/06/2007
20/05/2007 a 26/05/2007
22/04/2007 a 28/04/2007
15/04/2007 a 21/04/2007
08/04/2007 a 14/04/2007
01/04/2007 a 07/04/2007
25/03/2007 a 31/03/2007
18/03/2007 a 24/03/2007
11/03/2007 a 17/03/2007
25/02/2007 a 03/03/2007
18/02/2007 a 24/02/2007
11/02/2007 a 17/02/2007
28/01/2007 a 03/02/2007
21/01/2007 a 27/01/2007
14/01/2007 a 20/01/2007
05/11/2006 a 11/11/2006
29/10/2006 a 04/11/2006
22/10/2006 a 28/10/2006