O cinema pop impressionista de Sofia Coppola

 



Sofia Coppola consegue mais uma vez ser extremamente pessoal, sem ser fechada demais em si, e ao mesmo tempo dialogar com o seu tempo. A Maria Antonieta de Sofia é uma pessoa real, uma adolescente, perdida e encantada por um mundo novo. Ela foi, a princípio, refém de uma monarquia semi-morta, mas resolveu se entregar, já que não conhecia outra saída, e se torna a rainha "fútil" da França, vítima e protagonista de boatos e escândalos! Como nos outros filmes da diretora, desde seu curta Lick the Star (assista no You Tube!), a protagonista é uma jovem que tenta descobrir seu lugar no mundo.

 

Afastando-se de um fácil e perigoso “realismo”, o cinema de Sofia se aproxima muito mais do movimento impressionista francês: jogos de imagens tentam transpor o estado de alma e emoções de personagens naturalmente fotogênicos. Os movimentos de câmera são verdadeiras pinceladas soltas, iluminadas por uma luz fugaz, que repudia os tons sombrios. Além disso, o impressionismo também se expressa pelo subjetivismo: para Sofia Coppola interessam muito mais as suas impressões pessoais.

 

O figurino de Milena Canonero, agraciada com o Oscar®, é só um dos merecidos reconhecimentos: Kirsten Dunst está perfeita em sua interpretação distanciada e levemente afetada, a direção de arte é detalhista e sublime (viva o All-star!) e a trilha sonora reforça a idéia impressionista: os sons são como cores e evitam a precisão. Músicas de New Order, Strokes e Siouxsie and the Banshees embalam as descobertas e as extravagâncias de quase duas décadas da vida da rainha!

 

Maria Antonieta, de Sofia Coppola

(Marie Antoinette, JAP/FRA/EUA, 2006)

Com: Kirsten Dunst, Jason Schwartzman, Marianne Faithfull, Steve Coogan, Asia Argento


Escrito por Anderson Vitorino às 17h27



O olho, a bunda e o cheiro do ralo



Não foi nada fácil para o diretor Heitor Dhalia realizar o seu segundo longa-metragem. Em primeiro lugar devido ao “fracasso convencionado” de seu filme de estréia Nina, inspirado em Crime e Castigo, roteirizado por Marçal Aquino. Digo “fracasso convencionado” porque há uma predisposição por aí de ouvir uma opinião, ou crítica, e sair repetindo-a indiscriminadamente. Nina não teve uma bilheteria nada expressiva para a lógica de mercado cinematográfico e foi considerado por parte da crítica como uma direção “pesada”. Acredito também que o filme tenha ficado mais na idéia e na intenção do que em sua concretização, mas há ali uma tentativa louvável de comunicar um universo, uma concepção de mundo. O diretor também filmou um curta-metragem (Conceição) que é possível ver no site Porta Curtas.

Em segundo lugar, nas dificuldades contornadas por Dhalia e sua equipe, houve a rejeição ao filme em si, ou melhor, ao livro e ao universo nos quais o filme se baseia. Adaptar O Cheiro do Ralo, primeiro romance do quadrinista Lourenço Mutarelli, comparado ao norte-americano Robert Crumb, não era uma “boa idéia” para vários investidores que recuaram. Resultado: o filme foi realizado com R$ 600.000,00, ganhou vários prêmios nacionais e segue em carreira internacional após ser exibido no Festival de Sundance.

“O poder é afrodisíaco. O cheiro me dá poder. O cheiro e o olho.”

O personagem principal interpretado brilhantemente por Selton Mello, também produtor do filme, é um escroto, um canalha, e tem consciência disso. Lourenço, nome do autor doado ao protagonista na adaptação escrita novamente por Marçal Aquino, é dono de um depósito de objetos usados e quase todos sem a mínima função prática a não ser peça fundamental do jogo de poder travado entre o comprador e a pessoa que oferece o objeto. Lourenço sente prazer nesse controle exercido sobre quem está precisando de dinheiro e se desfaz de algo pessoal para conseguir. É, ele é bem canalha mesmo.

O romance de Mutarelli é cheio de símbolos que a psicanálise vai ter imenso prazer em investigar. O protagonista freqüenta uma lanchonete diariamente e eis que se depara com um objeto de desejo fulminante: a bunda da garçonete! Lourenço passa a cobiçar a parte específica da mulher até perceber que ela é uma pessoa inteira, não só uma bunda. E assim o personagem vai precisar se humanizar caso queira conquistar o objeto desejado, que vem junto com a mulher. Mas não é bem assim que a história se desenrola.

Outros símbolos que aparecem ao lado da bunda, são: o olho de vidro, adquirido como quinquilharia e transformado em restos mortais paternos numa construção maluca da cabeça do protagonista, e, claro, o ralo e seu cheiro inconveniente. A isso se soma a galeria de personagens estranhos que batem à porta de Lourenço para vender algo, sem imaginar o que vão enfrentar durante a negociação. Atores talentosos, pouco conhecidos e corajosos compõem o elenco. Destaco Sílvia Lourenço, como a junkie, que se vê nas mãos mesquinhas de Lourenço para conseguir dinheiro. A atriz vem do teatro e estreou de forma elogiável no cinema com Contra Todos. O autor, Lourenço Mutarelli, também participa do elenco, como o segurança do depósito.

“O cheiro me persegue.”

O Cheiro do Ralo é um filme sardônico e seu protagonista, talvez por ser interpretado pelo carismático Selton Mello, não causa repulsa apesar de seus valores morais duvidosos. A fotografia é bastante original, no sentido em que não reproduz uma “gramática” do campo/contracampo e dá tempo para que a ação se desenvolva. Ao lado disso vem a direção de arte cuidadosa, que dá vida, ou a tira, do galpão com cara de abandonado onde Lourenço exerce sua vil profissão. Ali, objetos de cena e a variação do tom pastel dão uma cara de anos 70. O próprio protagonista usa roupas e óculos anacrônicos e, na verdade, a concepção do figurino passa por aí.

O filme estréia hoje e está claro que o próximo, ou próximos, filmes de Heitor Dhalia estão garantidos! A reação da platéia, que ri em vários momentos desconcertantes, chegou a assustar diretor  e o ator – Heitor Dhalia disse após uma sessão chegou a pensar que o mundo está pior do que imaginava! Mas o susto passou.

O Cheiro do Ralo, de Heitor Dhalia
(BRA, 2006)
Com: Selton Mello, Paula Braun, Lourenço Mutarelli, Sílvia Lourenço

Clique aqui para ver o site oficial do filme.

Escrito por Anderson Vitorino às 15h47



Utilidade Pública: 12º Festival Internacional de Documentários

 

 

Principal evento dedicado à cultura do documentário na América Latina, fundado e dirigido por Amir Labaki, o É Tudo Verdade – Festival Internacional de Documentários realiza sua 12a. edição com 141 títulos, a maior em número de exibições. A principal novidade do programa é o estabelecimento de uma competição internacional de curtas-metragens.

 

O festival apresenta, assim, duas competições internacionais (14 longas e 10 curtas) e duas competições brasileiras (7 longas/médias e 8 curtas). A retrospectiva internacional celebra a obra como documentarista do cineasta polonês Krszystof Kieslowski. Uma homenagem especial destaca a contribuição do documentarista Linduarte Noronha e a aurora da marcante escola documental paraibana dos anos 1960.

 

As mostras informativas incluem os ciclos O Estado das Coisas, Horizonte e Foco Latino- Americano, além de programas especiais, uma homenagem aos 20 anos do Festival Internacional de Documentários de Amsterdã, uma mostra dos curtas experimentais do jurado norte-americano Jay Rosemblatt e um ciclo com destaques dos festivais franceses de documentários de 2006.

 

Ética é o tema central da 7ª Conferência Internacional do Documentário, que será realizada em São Paulo, no Itaú Cultural de 28 a 30 de março.

 

São Paulo: de 22 de março a 1 de abril

Rio de Janeiro: de 23 de março a 1 de abril

Brasília: de 3 a 15 de abril

Campinas: de 9 a 15 de abril

Porto Alegre: de 23 a 29 de abril


Escrito por Anderson Vitorino às 13h10



mensagens anteriores


Anderson Vitorino, 29, apaixonado por cinema, iniciou-se na dramaturgia aos 13 anos num curso de teatro. Desde lá, desenvolveu enorme fascínio pelas histórias e imagens. Estudou cinema e aprofunda-se em direção, escrita de roteiro e textos. Escreveu e dirigiu o curta-metragem Jurema, Te Amo!, 2003. Atualmente cursa Letras na USP e ensaia o seu primeiro espetáculo em São Paulo "Te espero na última plataforma".

Contato pelo e-mail:
andervitorino@gmail.com

ENTREVISTAS
SOBRE CINEMA
MOSTRAS E FESTIVAIS

HISTÓRICO

07/11/2010 a 13/11/2010
31/10/2010 a 06/11/2010
28/03/2010 a 03/04/2010
18/10/2009 a 24/10/2009
04/10/2009 a 10/10/2009
16/08/2009 a 22/08/2009
19/07/2009 a 25/07/2009
14/06/2009 a 20/06/2009
07/06/2009 a 13/06/2009
31/05/2009 a 06/06/2009
30/11/2008 a 06/12/2008
23/11/2008 a 29/11/2008
02/11/2008 a 08/11/2008
26/10/2008 a 01/11/2008
19/10/2008 a 25/10/2008
12/10/2008 a 18/10/2008
07/09/2008 a 13/09/2008
03/08/2008 a 09/08/2008
15/06/2008 a 21/06/2008
18/05/2008 a 24/05/2008
11/05/2008 a 17/05/2008
30/03/2008 a 05/04/2008
23/03/2008 a 29/03/2008
16/03/2008 a 22/03/2008
09/03/2008 a 15/03/2008
02/03/2008 a 08/03/2008
17/02/2008 a 23/02/2008
10/02/2008 a 16/02/2008
03/02/2008 a 09/02/2008
27/01/2008 a 02/02/2008
20/01/2008 a 26/01/2008
13/01/2008 a 19/01/2008
06/01/2008 a 12/01/2008
09/12/2007 a 15/12/2007
02/12/2007 a 08/12/2007
25/11/2007 a 01/12/2007
18/11/2007 a 24/11/2007
11/11/2007 a 17/11/2007
04/11/2007 a 10/11/2007
28/10/2007 a 03/11/2007
21/10/2007 a 27/10/2007
07/10/2007 a 13/10/2007
22/07/2007 a 28/07/2007
24/06/2007 a 30/06/2007
17/06/2007 a 23/06/2007
10/06/2007 a 16/06/2007
27/05/2007 a 02/06/2007
20/05/2007 a 26/05/2007
22/04/2007 a 28/04/2007
15/04/2007 a 21/04/2007
08/04/2007 a 14/04/2007
01/04/2007 a 07/04/2007
25/03/2007 a 31/03/2007
18/03/2007 a 24/03/2007
11/03/2007 a 17/03/2007
25/02/2007 a 03/03/2007
18/02/2007 a 24/02/2007
11/02/2007 a 17/02/2007
28/01/2007 a 03/02/2007
21/01/2007 a 27/01/2007
14/01/2007 a 20/01/2007
05/11/2006 a 11/11/2006
29/10/2006 a 04/11/2006
22/10/2006 a 28/10/2006