É impossível dissociar o cinema do cineasta russo Aleksandr Sokúrov (1951) da relação do homem com a História. Por mais que alguns filmes pereçam pessoais, subjetivos, a ambientação em certo tempo e espaço é sempre fundamental. Os filmes de Sokúrov nem sempre agradaram o governo russo, mas o diretor recebeu apoio de um mito de seu país – o cineasta Andrei Tarkóvski – e também de fundos cinematográficos europeus. Sokúrov estudou História e cinema e trabalhou na TV antes de realizar dezenas de documentários e ficções.

 

E por falar em Andrei Tarkóvski (“Solaris”, “Andrei Rublev”), vale lembrar que Sokúrov é herdeiro direto do mestre russo, pelo menos no que diz respeito à manipulação do tempo no cinema. Em “Arca Russa” (2002), por exemplo, Sokúrov leva o espectador numa viagem de poucos mais de 90 minutos, num plano único, pelo museu Hermitage. O que Hitchcock tentou fazer em “Trama Macabra” e não conseguiu por limitação técnica, Sokúrov realizou com a ajuda do suporte digital.

 

“O Sol” é a terceira parte de uma tetralogia sobre grandes ditadores da história contemporânea. Tudo começou com “Moloch” (1999), no qual Adolf Hitler é observado na intimidade com sua amante Eva Braun, única pessoa capaz de ouvi-lo e contradizê-lo. Depois foi a vez de flagrar um momento crítico do outrora vigoroso Lênin, em “Taurus” (2001). Caso o projeto inicial venha a se concretizar, o próximo e último filme será sobre Stálin.

 

Tóquio, 1945. O imperador japonês Hirohito, considerado um descendente direto do deus sol, está praticamente cercado dentro de seu bunker, enquanto a população japonesa amarga a tragédia e a humilhação do fim próximo da II Guerra Mundial. É nesse momento de angústia e queda que se localiza o filme de Sokúrov. O ator Issei Ogata interpreta um imperador completamente desconectado da realidade exterior e a câmera de Sokúrov capta com sofreguidão os hábitos rotineiros desse representante de um império fracassado que nunca mais seria o mesmo.

 

Em “O Sol”, Hirohito precisa aceitar a derrota e para isso precisa se destituir da aura divina. Sokúrov observa essa transformação nos mínimos detalhes e o espectador vê o sofrimento pelo que passa o imperador nesse desmantelamento de sua figura. A “visita” do general americano marca a entrada indiscriminada do mundo ocidental e sua cultura em território japonês. “O Sol” participou da seleção oficial do festival de Berlim de 2005 e foi exibido na Mostra Internacional de Cinema em São Paulo.

 

O Sol, de Aleksandr Sokurov 

(Solntse, RUS/ITA/SUI/FRA, 2005)

Com: Issei Ogata, Robert Dawson, Kaori Momoi, Shiri Samo


Escrito por Anderson Vitorino às 19h28



Promoção O Banheiro do Papa – Resultado

 

A vencedora da promoção foi Kiyoko Kohatsu. Parabéns, Kiyoko! Depois deixe seu comentário sobre o filme aqui no blog.

 

Em breve, mais promoções.


Escrito por Anderson Vitorino às 15h14



 

Para alguns um documentário, para outros uma ficção. A confusão de gêneros e a polêmica sempre estiveram ligadas às obras modernas e não poderia ser diferente com os trabalhos do brasileiro nascido na Itália em 1944, Andrea Tonacci. Ele veio para o país ainda na infância e se instalou em São Paulo, onde vive até hoje. A carreira cinematográfica teve início com curtas-metragens, como “Olho por Olho” (1965), e direção de fotografia em filmes de diretores já conhecidos, como Rogério Sganzerla.

 

Mas foi mesmo com o já mítico “Bang Bang” (1970) que Tonacci entrou para o grupo de diretores brasileiros e, com a licença da classificação, se tornou um dos mais importantes do Cinema Marginal (“movimento” basicamente paulista, das décadas de 60 e 70, que fazia cinema com pouquíssimo recurso financeiro e técnico).

 

Mais de 30 anos separam “Bang Bang” do trabalho mais recente, “Serras da Desordem” (2006). Tonacci não ficou parado durante todo esse tempo – deu aula, fez vídeos, mas o hiato é mais um indício de que o cinema desse realizador realmente não se atrela ao crescente comércio cinematográfico que se estabeleceu no Brasil a partir dos anos 90. É realmente difícil dissociar a figura de Tonacci da “Marginalidade”.

 

O tema indígena entrou na vida do diretor no final da década de 70 com as filmagens do documentário “Conversas do Maranhão” e outros projetos já nos anos 80. A idéia de “Serras da Desordem” apareceu pela primeira vez em 1993, mas as filmagens só começariam 10 anos depois.

 

De acordo com Tonacci, “Serras da Desordem” é seu segundo filme de ficção. Fica claro o posicionamento do diretor quanto ao poder de manipulação da imagem e ele leva essa experiência ao extremo na reconstituição que faz da vida do índio Carapirú – interpretado pelo próprio no filme. Planos longos, imagens sobrepostas e uso dramático do preto-e-branco em oposição, ou complemento, às cores, são alguns dos recursos de Tonacci para reencenar a trajetória de um índio pelo mundo selvagem dos “brancos”.

 

Serras da Desordem, de Andrea Tonacci 

(BRA, 2006)

Com: Carapirú, Tiramukõn, Camairú, Myhatxiá, Sydney Ferreira Possuelo, Luis Aires do Rego


Escrito por Anderson Vitorino às 15h11



mensagens anteriores


Anderson Vitorino, 29, apaixonado por cinema, iniciou-se na dramaturgia aos 13 anos num curso de teatro. Desde lá, desenvolveu enorme fascínio pelas histórias e imagens. Estudou cinema e aprofunda-se em direção, escrita de roteiro e textos. Escreveu e dirigiu o curta-metragem Jurema, Te Amo!, 2003. Atualmente cursa Letras na USP e ensaia o seu primeiro espetáculo em São Paulo "Te espero na última plataforma".

Contato pelo e-mail:
andervitorino@gmail.com

ENTREVISTAS
SOBRE CINEMA
MOSTRAS E FESTIVAIS

HISTÓRICO

07/11/2010 a 13/11/2010
31/10/2010 a 06/11/2010
28/03/2010 a 03/04/2010
18/10/2009 a 24/10/2009
04/10/2009 a 10/10/2009
16/08/2009 a 22/08/2009
19/07/2009 a 25/07/2009
14/06/2009 a 20/06/2009
07/06/2009 a 13/06/2009
31/05/2009 a 06/06/2009
30/11/2008 a 06/12/2008
23/11/2008 a 29/11/2008
02/11/2008 a 08/11/2008
26/10/2008 a 01/11/2008
19/10/2008 a 25/10/2008
12/10/2008 a 18/10/2008
07/09/2008 a 13/09/2008
03/08/2008 a 09/08/2008
15/06/2008 a 21/06/2008
18/05/2008 a 24/05/2008
11/05/2008 a 17/05/2008
30/03/2008 a 05/04/2008
23/03/2008 a 29/03/2008
16/03/2008 a 22/03/2008
09/03/2008 a 15/03/2008
02/03/2008 a 08/03/2008
17/02/2008 a 23/02/2008
10/02/2008 a 16/02/2008
03/02/2008 a 09/02/2008
27/01/2008 a 02/02/2008
20/01/2008 a 26/01/2008
13/01/2008 a 19/01/2008
06/01/2008 a 12/01/2008
09/12/2007 a 15/12/2007
02/12/2007 a 08/12/2007
25/11/2007 a 01/12/2007
18/11/2007 a 24/11/2007
11/11/2007 a 17/11/2007
04/11/2007 a 10/11/2007
28/10/2007 a 03/11/2007
21/10/2007 a 27/10/2007
07/10/2007 a 13/10/2007
22/07/2007 a 28/07/2007
24/06/2007 a 30/06/2007
17/06/2007 a 23/06/2007
10/06/2007 a 16/06/2007
27/05/2007 a 02/06/2007
20/05/2007 a 26/05/2007
22/04/2007 a 28/04/2007
15/04/2007 a 21/04/2007
08/04/2007 a 14/04/2007
01/04/2007 a 07/04/2007
25/03/2007 a 31/03/2007
18/03/2007 a 24/03/2007
11/03/2007 a 17/03/2007
25/02/2007 a 03/03/2007
18/02/2007 a 24/02/2007
11/02/2007 a 17/02/2007
28/01/2007 a 03/02/2007
21/01/2007 a 27/01/2007
14/01/2007 a 20/01/2007
05/11/2006 a 11/11/2006
29/10/2006 a 04/11/2006
22/10/2006 a 28/10/2006